Uma VPN pode ser invadida?

Milhões de pessoas usam VPN todos os dias para se protegerem contra hackers em público Ligações WiFi. Fazem-no encaminhando os seus dados de navegação através de um servidor de rede privada virtual (VPN) e entregando-os à empresa que os opera. Então, o que acontece se a VPN for pirateada? E é possível hackear uma VPN? Quer saber mais sobre isto? Então leia o nosso guia detalhado que explica tudo sobre este tópico.

Ben Grindlow

Ben Grindlow é o fundador da ProXPN, uma empresa que fornece análises sobre produtos e serviços de VPN. O interesse de Ben em segurança e privacidade cibernética levou-o a iniciar a ProXPN, que se tornou um dos fornecedores de VPN mais respeitados do mundo. Ben é apaixonado pelo seu trabalho, e está constantemente a explorar novas formas de melhorar os guias aprofundados da ProXPN.

Última actualização: 16:16H 6/30/2022

Selecção de Peritos ProXPN

4.9/5
3.5/5
4.9/5
3.5/5
4.9/5
3.5/5

Tabela de Conteúdos

O principal e mais seguro fornecedor de VPN do mundo

🔥 Poupe 60%! 🔥

A

A ligação à Internet, muitas vezes conhecida como VPN, é uma das formas mais eficazes de assegurar a sua ligação à Internet e manter os seus dados privados. Mesmo a protecção mais completa é inútil se a VPN puder ser facilmente pirateada. O seu serviço VPN é seguro? Decidimos descobrir. No final, tudo se resume à encriptação e a quanta informação

As redes privadas virtuais (VPNs) são um tipo de software de privacidade que cria um túnel virtual impenetrável entre duas redes ou dispositivos através da Internet. Devido à utilização deste túnel virtual, as suas actividades de navegação são difíceis de seguir, mesmo que tenha um fornecedor de serviços de Internet.

É possível invadir uma rede privada virtual (VPN)?

Apesar do facto de IPSec, SSL, e redes privadas virtuais (VPNs), que encriptam os seus dados e utilizam servidores DNS privados para salvaguardar a sua identidade online, permanecerem uma das estratégias mais eficazes para salvaguardar a sua identidade online, é importante lembrar que tudo pode ser pirateado a qualquer momento.

Isto é especialmente verdade se for um alvo de alto valor, e o seu oponente tem o tempo, os fundos e os recursos necessários para atingir o objectivo. A maioria das pessoas não se enquadra na categoria de "alto valor", pelo que é pouco provável que sejam destacadas para um tratamento especial, o que é uma excelente notícia.

Como se pode invadir uma ligação VPN?

A invasão de uma ligação VPN pode ser realizada através de um de dois métodos. Usando vulnerabilidades conhecidas, um hacker pode quebrar a encriptação ou roubar a chave, o que é feito de uma forma pouco ética.

Hackers e analistas criptográficos utilizam ataques criptográficos para recuperar texto simples de versões encriptadas de documentos quando não têm acesso à chave. A quebra da encriptação, por outro lado, é uma tarefa computacionalmente exigente e demorada. Pode levar anos para que computadores poderosos descodifiquem com sucesso um sistema de encriptação.

Uma VPN é realmente segura?

Uma rede virtual privada (VPN) protege a confidencialidade e integridade das mensagens enquanto estas são transmitidas através da Internet pública. Isto assegura que a sua informação permaneça confidencial e inalterada.

  • O estabelecimento de uma ligação segura é um processo simples. Após ter estabelecido uma ligação com o seu ISP, pode estabelecer uma ligação de rede privada virtual (VPN) utilizando o software que instalou no seu dispositivo.
  • O cliente VPN é outro nome para esta peça de software. Os seus dados são mantidos seguros e privados como resultado do servidor VPN que recupera as páginas web solicitadas e as devolve através de um túnel encriptado.

Pode ser hackeado usando VPN como uma pessoa normal?

Embora a resposta curta seja não, é possível ser hackeado enquanto se utiliza um serviço VPN. Para o fazer, um atacante teria de ter acesso ao servidor a que está ligado. Além disso, precisariam de conhecer as vulnerabilidades específicas do software que está a utilizar. Embora seja teoricamente possível para um atacante explorar estas vulnerabilidades, é extremamente improvável.

Se estiver a utilizar um serviço VPN respeitável, então a probabilidade de ser hackeado é incrivelmente baixa. Contudo, se estiver a utilizar um serviço VPN gratuito ou de baixo custo, então a probabilidade de ser hackeado aumenta significativamente. Isto porque os serviços VPN gratuitos e de baixo custo geralmente não têm os mesmos protocolos de segurança.

Que VPNs foram pirateadas?

Tem havido alguns relatos de VPNs a serem pirateadas. Na maioria dos casos, estes têm sido serviços VPN de baixo custo ou gratuitos. Por exemplo, em 2015, foi relatado que o website russo "Hackforums" tinha pirateado uma série de serviços VPN gratuitos.

Além disso, houve alguns relatos de serviços VPN pagos a serem pirateados. Num caso, foi relatado que o popular serviço VPN "Hola" tinha sido pirateado.

Quão hackeável é uma VPN?

Embora seja possível hackear um serviço VPN, é extremamente improvável. Para o fazer, um atacante precisaria de ter acesso ao servidor a que está ligado. Além disso, precisariam de conhecer as vulnerabilidades específicas do software que está a utilizar. Embora seja teoricamente possível para um atacante explorar estas vulnerabilidades, é extremamente improvável.

Se estiver a utilizar um serviço VPN respeitável, então a probabilidade de ser hackeado é incrivelmente baixa. Contudo, se estiver a utilizar um serviço VPN gratuito ou de baixo custo, então a probabilidade de ser hackeado aumenta significativamente. Isto porque os serviços VPN gratuitos e de baixo custo geralmente não têm os mesmos protocolos de segurança.

Como proteger contra ser hackeado durante a utilização de uma VPN

Há algumas medidas que pode tomar para se proteger contra ser pirateado enquanto se utiliza um serviço VPN. Primeiro, certifique-se de que está a utilizar um serviço VPN respeitável. Segundo, assegure-se de que o serviço VPN que está a utilizar tem fortes protocolos de segurança. Finalmente, assegure-se de manter o seu software antivírus actualizado.

Os hackers estão constantemente a tentar encontrar novas formas de invadir VPNs. Como resultado, é importante certificar-se de que está a utilizar um serviço VPN respeitável que está constantemente a actualizar os seus protocolos de segurança.

Como funciona a encriptação de rede privada virtual?

IPSec é um conjunto de protocolos de segurança que lhe permite encriptar e transferir a sua informação sensível. Uma VPN utiliza IPSec, enviando e encriptando os seus dados privados utilizando um método específico. Todos os participantes acordaram num protocolo, que é composto de regras para a transmissão e encriptação de dados.

A maioria das VPN's utiliza diferentes protocolos

A maioria dos fornecedores de redes privadas virtuais (VPN) dão aos clientes a escolha de escolher entre uma gama de protocolos VPN. Seguem-se vários protocolos que são amplamente utilizados, incluindo: PPTP, L2TP, IPSec, e OpenVPN (utilizando SSL/TLS).

Existem protocolos de código aberto

É um protocolo de encriptação de chave pública que pode ser livremente pesquisado e remendado. É amplamente reconhecido como uma das opções VPN mais seguras disponíveis. O protocolo OpenVPN é bem conhecido entre os serviços VPN premium, tais como o ExpressVPN.

Como é que as VPN's garantem que não são hackeadas?

Para compreender plenamente como uma rede privada virtual (VPN) protege a sua privacidade, temos de aprofundar um pouco mais o campo da ciência da encriptação. Os Vpns utilizam a encriptação para assegurar que os seus dados legíveis (texto em quadrícula) permaneçam completamente ilegíveis (texto em cifra) no caso de serem interceptados durante as suas viagens pela Internet. Um algoritmo, também conhecido como cifra, rege a forma como os processos de encriptação e desencriptação ocorrem dentro de protocolos de redes privadas virtuais.

Encriptação simétrica

A encriptação simétrica é um tipo de encriptação que utiliza uma única chave para bloquear (encriptar) e desbloquear (decifrar) dados. A encriptação assimétrica faz uso de duas chaves, uma para encriptar dados e a outra para decifrar dados, para proteger a informação sensível. O quadro abaixo fornece uma comparação de alto nível de métodos de encriptação simétrica e assimétrica em geral.

Criptografia assimétrica

A criptografia assimétrica é uma solução para as limitações da criptografia simétrica que foram identificadas. Whitfield Diffie e Martin Hellman estiveram entre o primeiro grupo de pessoas a tentar resolver estas limitações desenvolvendo um algoritmo assimétrico conhecido como o protocolo de troca de chaves criptográficas Diffie-Hellman.

Hashing

Hashing, por outro lado, é um tipo de encriptação que é unidireccional e irreversível. É utilizado para assegurar a integridade dos dados transmitidos, tais como senhas, durante a transmissão. A maioria dos protocolos VPN depende de algoritmos de hashing para assegurar que as mensagens enviadas através da VPN são genuínas. MD5, SHA-1, e SHA-2 são apenas alguns exemplos. Ambos MD5 e SHA-1, por outro lado, já não são considerados seguros.

Cada protocolo tem o seu próprio conjunto de vantagens e desvantagens

Cada protocolo tem o seu próprio conjunto de vantagens e desvantagens que são determinadas pelo algoritmo criptográfico que é implementado no seu interior. Alguns provedores de redes privadas virtuais (VPN) dão aos utilizadores a opção de seleccionar entre uma variedade de cifras. Existem três tipos de algoritmos ou cifras, cada um dos quais pode ser classificado da seguinte forma: algoritmo simétrico, algoritmo assimétrico, e algoritmo de hashing.

Diffie-Hellman é um conhecido algoritmo criptográfico que é utilizado por muitos protocolos VPN, incluindo HTTPS, SSH, IPsec, e OpenVPN, e é um pré-requisito para muitos outros. Embora duas partes que nunca se encontraram antes possam negociar uma chave secreta sobre um canal público inseguro como a Internet, o algoritmo é particularmente útil em outros contextos.

Porque é que os hackers estão interessados em piratear ligações VPN?

A maioria das agressões, por outro lado, está concentrada na obtenção das chaves. As agências espiãs, por exemplo, preferem frequentemente esta abordagem à descodificação de dados em vez de um procedimento mais difícil. Uma vez que a matemática da encriptação é demorada a calcular, roubar uma chave é uma tarefa muito mais simples do que decifrar dados.

Isto é conseguido através de uma mistura de feitiçaria tecnológica, poder de computação, batota, ordens judiciais e persuasão no sistema informático backend. As VPNs podem ser pirateadas; no entanto, isto é difícil de fazer. Além disso, embora não utilize uma VPN, a hipótese de ser hackeado é significativamente maior do que se se utilizar uma.

Edward Snowden e outros peritos em segurança revelaram que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos tinha entrado com sucesso na encriptação virtual de redes privadas, incluindo a nossa.

De acordo com fugas do antigo contratante da NSA Edward Snowden, a infra-estrutura de descodificação VPN da agência consiste na captura de dados codificados e na transmissão de parte deles para computadores extremamente poderosos. As máquinas devolveriam então a chave.

Perguntas mais frequentes

Se utilizar uma VPN hackeada, eles podem ser capazes de aceder e assumir o controlo dos seus dispositivos utilizando spyware ou ransomware. Credenciais reveladas acidentalmente. Qualquer pessoa que escute a sua ligação poderá ver o seu tráfego e informações pessoais se a sua segurança VPN for comprometida.

Como pode uma VPN protegê-lo de hacking? Torna-se impossível rastreá-lo alterando o seu endereço IP com uma servidor proxy. Também impede qualquer pessoa de ler a sua informação se tentar interceptá-la, porque encripta os dados que comunica em linha.

É preciso ter em mente que as VPNs funcionam de forma diferente do que um software antivírus abrangente. Embora codifiquem o seu histórico de IP e Internet, isso é tudo o que podem fazer. Eles não garantirão a sua segurança, por exemplo, se for a sites de phishing ou descarregar ficheiros infectados por malware.

A ascensão das redes privadas virtuais (VPNs) e outros softwares de acesso remoto à rede nos últimos anos levou muitas empresas a acreditar que, com elas, tinham completado todas as verificações de segurança necessárias. No entanto, os hackers demonstraram que, por si só, não garantem a privacidade completa dos computadores.

Uma rede privada virtual (VPN) pode obscurecer a sua presença na Internet, alterando o seu endereço IP. Encripta a sua localização e os dados que transmite e recebe, ajudando a proteger as suas informações pessoais identificáveis (PII). Estas informações podem incluir os números da sua conta bancária, bem como os números da Segurança Social e da carta de condução.

Proteja a sua privacidade digital e mantenha-se seguro na Internet

Curioso sobre as escolhas dos nossos peritos em privacidade?